Domingo, 03 de Março de 2024
Publicidade

Fome na América Latina atinge 43,2 milhões de pessoas em 2022

Segundo os especialistas que compilaram os dados e elaboraram o documento, a proporção da população com experiência de subalimentação caiu em uma d...

09/11/2023 às 20h38
Por: Redação Fonte: Agência Brasil
Compartilhe:
© Rovena Rosa/Agência Brasil
© Rovena Rosa/Agência Brasil

Os países da América Latina e Caribe conseguiram avançar no combate à fome e à insegurança alimentar nos últimos anos, sobretudo em decorrência da melhora nos índices da América do Sul.

A evolução dos índices na região sul-americana foi constatada entre 2021 e 2022, embora, ao mesmo tempo, na mesoamérica – que inclui Belize, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá, além de porções do México –, a proporção da população que ainda convive com a fome ou insegurança alimentar em estágio moderado ou grave aumentou.

Essas são algumas das conclusões da mais recente edição do Panorama Regional de Segurança Alimentar e Nutrição na América Latina e no Caribe 2023 , elaborada por cinco agências do sistema da Organização das Nações Unidas (ONU).

O documento foi divulgado hoje (9) e detalha como fatores geopolíticos, a exemplo da guerra da Ucrânia, a crise sanitária da covid-19 e a crise climática afetam os números. Entre 2021 e 2022, a taxa de fome entre a população mundial se manteve estável em 9,2%, no final de 2022.

No mesmo período, na América Latina e no Caribe, o índice passou de 7% para 6,5%, o que representa, em números absolutos, que 43,2 milhões de pessoas se encontravam nessa situação, tomando-se como base o cenário da região. Apesar do recuo, a taxa ainda fica 0,9% acima da registrada em 2019, ano imediatamente anterior à pandemia de covid-19.

No ano passado, 247,8 milhões de pessoas da região constituíam a parcela com insegurança alimentar moderada ou grave, total reduzido em 16,5 milhões, na comparação com o registrado em 2021. A projeção para 2022 indica que, do grupo que vive nessa condição, 159 milhões de pessoas são da América do Sul, 61,9 milhões da América Central e 26,9 milhões do Caribe.

"As persistentes desigualdades da região têm um impacto significativo na segurança alimentar dos mais vulneráveis. A prevalência da insegurança alimentar moderada ou grave continua afetando mais as mulheres do que os homens", ressaltam as agências da ONU no relatório.

Brasil

Segundo os especialistas que compilaram os dados e elaboraram o documento, a proporção da população com experiência de subalimentação caiu em uma década tanto no Brasil, como na América Latina e no mundo, porém em ritmos distintos.

Na América Latina e Caribe o percentual passou de 10,7% no período de 2000 a 2002, para 6,7%, de 2020 a 2022. No Brasil, a variação foi de 10,7% para 4,7%, no mesmo período. Já em termos globais, o índice caiu de 12,9% para 9,2%. O cálculo dos dados de 2020-2022 são projeções da ONU.

>> Clique aqui e acesse outras matérias da Agência Brasil sobre a fome no país

Em relação à caracterização da parcela com insegurança alimentar grave, os primeiros dados da análise datam de 2014 a 2016. Nesse caso, no mundo, o que se verificou foi um aumento no percentual: de 7,8% no biênio mais antigo, para 11,3% em 2020-2022. Na América Latina e Caribe, a variação foi de 7,9% para 13%, enquanto, no Brasil, passou de 1,9% para 9,9%.

Outro dado relevante que consta do relatório diz respeito ao impacto da falta de acesso à alimentação adequada na vida de crianças. Em todos os recortes geográficos, houve redução no índice de atraso no crescimento de crianças menores de 5 anos de idade, quando se comparam dados de 2000 e 2022.

No mundo, a porcentagem caiu de 33% e para 22,3%. Na América Latina e Caribe, passou de 17,8% em 2000 para 11,5% em 2022. Já no Brasil, o percentual passou de 9,8% para 7,2%, na mesma base de comparação.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Boa Vista, RR
32°
Parcialmente nublado

Mín. 26° Máx. 36°

33° Sensação
2.57km/h Vento
43% Umidade
94% (3mm) Chance de chuva
07h12 Nascer do sol
07h16 Pôr do sol
Seg 34° 23°
Ter 35° 23°
Qua 35° 25°
Qui 34° 25°
Sex 34° 26°
Atualizado às 20h03
Economia
Dólar
R$ 4,95 -0,06%
Euro
R$ 5,38 +0,13%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,26%
Bitcoin
R$ 334,942,58 +1,49%
Ibovespa
129,180,37 pts 0.12%
Publicidade